Triunfo de Gaia - Monsieur Laforge

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Triunfo de Gaia - Monsieur Laforge

Mensagem por Lua em Qua Jun 21, 2017 2:06 pm

Passava das onze quando os dois despertaram.  O sol já brilhava com força e os sons alegres do cais chegavam junto com a brisa marinha que entrava pela vidraça despudorosamente aberta.

Era uma grande manhã!

Ameline espreguiçava-se sobre os lençóis como uma gata satisfeita, os seios firmes expondo-se docemente com o movimento.

As cenas presenciadas pela fotografia em branco e negro de Churchill, emoldurada sobre a cama, teriam sido suficientes para fazer com que o velho estadista desejasse voltar à vida e, uma vez mais, usufruir do quarto que levava seu nome, acompanhado.

- Você é lindo. — sorriu Ameline, observando o corpo de Alain, naturalmente esculpido pelas batalhas. A última delas ocorrera há tão pouco tempo e, paradoxalmente, parecia tão distante… Uma memória quase irreal no conforto daquela alcova.

Alain sentia fome.

O carrinho com o café da manhã havia sido deixado e depois retirado do hall de acesso privado com o maravilhoso sigilo dos grandes hotéis. Nenhum dos dois se preocupara em buscá-lo. Agora o estômago de Alain roncava. O Lobo, saciado das paixões eróticas, precisava alimentar-se.

Ameline levantou-se ainda nua e foi até a mesa onde estava o kit de boas-vindas do hotel. Com uma habilidade incrível, abriu o champanhe antes que Alain pudesse esboçar qualquer gesto cavalheiresco de ajuda. Ao espoucar da tampa, seguiu-se o jorro da bebida e a risada cristalina de Ameline ao ver o champanhe derramar-se sobre as taças que enchia.

Voltou para a cama trazendo as taças e a tigela de morangos que fazia parte do kit. Parecia um desdejum adequado para ela.

Depois de saborear o champanhe e mordiscar um morango, Ameline voltou a aninhar-se nos braços de Alain.


ele acalentaria o corpo dela junto ao dele, dando-lhe conforto e segurança enquanto ela se recuperava. Como se fosse simples conversa de cama, ele comentaria:

- Você é inacreditável, Ameline. Além de linda, inteligente e gostosa, conseguiu me impressionar na cama. Adoro como cuidou de cada detalhe para a ocasião, e de como se vestiu especialmente para mim.


Como se não estivesse ouvindo, Ameline deixou o champanhe, virou-se de bruços e começou a beijar o peito de Alain.


Seu pingente por exemplo, me faz lembrar de coisas antigas da minha família que eu nunca mais encontrei em lugar nenhum do mundo.


Alain sentiu a língua quente e úmida de Ameline tocar sua pele. Relembrou as delícias daquela manhã.


Você precisa me apresentar seu joalheiro, assim posso escolher seus adornos quando quiser impressioná-la de novo...


- Ah… — disse Ameline interrompendo o gesto e sentando-se de repente. —  Meu joalheiro…

Olhou Alain nos olhos, pela primeira vez muito séria, estudando-o.

— Pois meu joalheiro é meu segredo melhor guardado. — respondeu sem tirar os olhos dele ou mudar o semblante.

Lá fora uma gaivota gritou.
avatar
Lua

Mensagens : 102
Data de inscrição : 06/07/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Triunfo de Gaia - Monsieur Laforge

Mensagem por Alexyus em Qua Jun 21, 2017 9:22 pm

Alaín estava atento aos sinais de seu corpo: satisfação, relaxamento, fome. Tudo aquilo era distração para a mente arguta do presa de prata, que em nenhum momento desviava a atenção de Ameline. 

"É estranho estar com ela. Mesmo sabendo tão pouco de mim, ela fica à vontade e cede facilmente aos desejos carnais. Não sei se uma manhã de sexo selvagem vai ganhar a confiança dela. Vamos ver..."

Ele a observou abrir a champanhe, servir-lo e recomeçar os carinhos. Ele deixava-se acariciar, seguro de quem era e de onde estava. O corpo dela, apesar de belo, não lhe despertava mais tanto desejo agora. Ele queria saber mais sobre a personalidade da mulher, pois já conhecia cada centímetro do corpo dela.

A aparente imunidade dela aos elogios era mau sinal para Alaín. Suas lisonjas não eram efetivas como de costume.

Mas a menção ao joalheiro teve uma reação imediata.

Você precisa me apresentar seu joalheiro, assim posso escolher seus adornos quando quiser impressioná-la de novo...


- Ah… — disse Ameline interrompendo o gesto e sentando-se de repente. —  Meu joalheiro…

Olhou Alain nos olhos, pela primeira vez muito séria, estudando-o. 

— Pois meu joalheiro é meu segredo melhor guardado. — respondeu sem tirar os olhos dele ou mudar o semblante.

Lá fora uma gaivota gritou.

Era o sinal que Alaín esperava. 

"Ela sabe! Sabe sobre ele, e talvez também sobre os fetiches! Mas não vai me dizer facilmente... Vou ter que avançar lentamente agora..."

Tudo isso foi pensado num milésimo de segundo enquanto Alaín a encarava, ela séria e ele atônito com a descoberta. Mas após o momento da negativa, ele rapidamente mudou para uma nova estratégia.

Spoiler:

Ele rompeu numa gargalhada breve, porém convincentemente espontânea.

- Nunca pensei que de todos os seus segredos, esse seria o seu mai bem guardado, Ameline Oberholzer... Normalmente, eu respeito a discrição das damas, mas você...

Ele segurou gentilmente os cabelos dela antes de completar a frase.

- De você, eu quero saber tudo.. absolutamente tudo...
Spoiler:

avatar
Alexyus

Mensagens : 155
Data de inscrição : 05/07/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Triunfo de Gaia - Monsieur Laforge

Mensagem por Lua em Qua Jun 28, 2017 2:01 pm

- Nunca pensei que de todos os seus segredos, esse seria o seu mai bem guardado, Ameline Oberholzer... Normalmente, eu respeito a discrição das damas, mas você...

Ele segurou gentilmente os cabelos dela antes de completar a frase.

- De você, eu quero saber tudo.. absolutamente tudo…


Ameline desvencilhou-se da mão de Alain com graciosidade e começou a vestir-se.

— Não há muito para saber sobre mim que já não esteja em revistas e sites de fofocas. — disse ela subindo a lingerie — Vivo minha vida como quero e não me importa que falem a respeito. A foto que o paparazzo nos fez ontem com seu relógio, por exemplo, já deve estar circulando por aí.

Pôs o leve vestido e com um movimento hábil o fez deslizar pelo corpo até ajustar-se às suas formas.  Depois começou a procurar o colar.

— Tampouco escondo meu gosto por estilo e por jóias. — disse, colocando o colar e tentando fechá-lo atrás do pescoço. Não conseguiu, então virou-se de costas para que Alain o fizesse por ela.

O fecho tinha um mecanismo sofisticado e a corrente era de ouro.

— Sei que lanço tendências mesmo sem querer — prosseguiu Ameline — mas, para minhas coisas, gosto de exclusividade. Descubro novos estilistas, que tenham coleções de alta qualidade mas que ainda não estejam encaixotadas pelo estilo das grandes maisons.  Depois todos me copiam e não tenho mais remédio que buscar outras novidades. Com as jóias era ainda pior. Você sabe como é, aonde quer que você vá, as mulheres estarão usando Cartier, Bulgari, Chopard… mesmo Winston. As atrizes estão sempre com alguma Harry Winston. Todas iguais. Não com as mesmas jóias mas com  o mesmo estilo, entende?

Ameline virou-se de frente. Entre seus seios, brilhava o pequeno ovo azul incrustado com a lua prateada, semi-oculta por nuvens de ouro. A quantidade de prata não era suficiente para incomodar Alain, que podia apreciar a beleza do adorno.

— Cheguei a pensar em jóias vintage mas, mon dieu! essas antiguidades te deixam parecendo a rainha da Inglaterra!—riu a jovem.

Dando-se conta de que Alain reparava no pingente,  Ameline sorriu, orgulhosa. Acariciando a jóia suavemente, prosseguiu.

—Já tinha desistido de achar algo luxuoso e original quando, por acaso, conheci Mon… mon bijoutier. Seu estilo lembra o Fabergé antigo mas, ainda assim, é moderno e absolutamente criativo Ameline baixou os olhos para o pingente em seu peito E ele me produz jóias únicas. Assegurei-me de fazê-lo assinar um contrato de exclusividade e de remunerá-lo regiamente para que não fique tentado a quebrá-lo.

"Mas isso tudo é de conhecimento das grandes maisons. — seus olhos azuis agora penetravam nos de Alain — Mais de uma me contatou, querendo saber quem era meu joalheiro. Ofereceram-me dinheiro, regalias. E não poucas me imitaram.  As opalas negras, que eram minha marca pessoal,  agora figuram nas melhores coleções. Começo a aborrecer-me delas…. "— divagou.

Então, como voltando a pensar com objetividade, Ameline perguntou a Alain, a queima-roupa:

— E você, o que é? Por que o interesse? Não vai me dizer que alguma joalheria te mandou para me seduzir e obter o nome do meu joalheiro? — Ameline riu mordazmente — Ou será um ambicioso designer disposto a usar seu corpo para ter acesso ao idealizador de minhas jóias?

Ameline apanhou seu casaco.

— Em qualquer caso, mon cher— sussurrou — devo dizer que uma noite de sexo — ainda que tenha sido a melhor de minha vida — não vale meu valioso segredo.

Ameline encaminhou-se à porta, enquanto Alain ouviu seu celular receber uma mensagem.

—  Adieu. — disse ela.
avatar
Lua

Mensagens : 102
Data de inscrição : 06/07/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Triunfo de Gaia - Monsieur Laforge

Mensagem por Alexyus em Ter Jul 04, 2017 7:29 pm

Por debaixo da superficialidade consumista de Ameline, Alaín percebeu que ela ocultava um segredo muito major que apenas um fornecedor de modas de luxo.

"Ela gosta de estar no controle... Deixe-a falar, vamos deixá-la tagarelar para descobrir o que ela revela..."


Alaín não fez nenhum movimento para impedi-la quando ela se despediu e saiu.

Ele esperou que ela saísse para ler e responder a mensagem rapidamente.

A seguir, ele percorreu atalhos e passou a seguir Ameline pela penumbra. Ele tinha um palpite de que ela o llevaria ao formador de fetiches.
avatar
Alexyus

Mensagens : 155
Data de inscrição : 05/07/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum